Buscar
  • Pedro Ivo

Ceticismo impecável

Existem aqueles que se dizem céticos, mas que são céticos muito imperfeitos, raramente desconfiam deste “eu” que se diz cético e com o qual se identificam e acreditam piamente.


Questionam tudo o que não se encaixa no repertório de possibilidades pré-concebidas por uma “ciência” ou racionalidade caricaturizada, como se estas fossem entidades uniformes e objetivas que, se não negam o que está além do seu âmbito, relegam para o campo vago e pantanoso do que não se pode averiguar e provar.


Comportam-se como se o mundo fosse composto de objetos sólidos e fenômenos cognoscíveis, e a realidade, externa, independente e imutável.


Um cético genuíno começaria por questionar estas proposições – a existência de um “eu” consistente que serve como ponto de referência para categorizar e julgar o que quer que seja e a existência de uma realidade externa, objetiva, que existe por si e nos determina.


Esse tipo raro de cético poderia, através do questionamento profundo, suspender verdadeiramente os julgamentos e através disso abrir uma brecha, que por mínima que seja, deixaria entrar uma espécie de vacuidade imensurável, permitindo a percepção do que subjaz e sustenta qualquer fato ou evento questionável, o Mistério verdadeiramente Insondável e Inquestionável.


O cético então atravessaria o abismo da ilusão e não desembocaria num cínico apático, arrogante e entediado, mas se transmutaria num místico vibrante, genuinamente curioso e extasiado.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

poucos sabem que eu existo. e eu, ignoro completamente a existência de bilhões. apenas agora, neste exato, limitado e mesmo instante. sem contar os que vieram e os que virão. mas sei que nos fatos ess